7.6.16

Férias! Dicas Gerais

Oi pessoal, tudo bem?
Para finalizar nossa série de posts sobre as férias, quero dar algumas dicas gerais da viagem.

1. Passagens
Eu só fechei o hotel depois de marcar as passagens, porque usei minhas milhas. Aí vai a outra dica: comprei milhas durante a Black Week da Smiles e ganhei um código promocional para comprar 10.000 milhas por R$ 9,90. Ou seja, juntando com os pontos do cartão, as três passagens saíram por  R$ 709,90. Vale muito a pena ficar de olho nos sites para as promoções.
O único porém é que viajamos de GOL, que tem o check-in mais confuso do mundo. Aqui a recomendação de chegar duas horas antes da partida deve ser seguida à risca, porque perdemos um enorme tempo na fila e fomos os últimos a embarcar.
Pelo menos o nosso voo saiu e chegou no horário e não tivemos problemas com nossas malas, que chegaram intactas.
2. Carro
Muita gente não recomenda alugar carro em Foz porque o transporte público é bom e há muitos táxis. Nós não quisemos arriscar. Sim, nós alugamos carro. Como planejamos passeios em Foz, ter um carro nos deu liberdade para deslocar caso a Beatriz ficasse irritada ou se simplesmente quiséssemos mudar nosso roteiro. Posso dizer com certeza que, com crianças pequenas, o carro é indispensável. Ao chegar no aeroporto de Foz, fomos ao stand da Movida para retirar o carro com a cadeirinha (que eles alugam também), que tinha o melhor preço e já tínhamos alugado com eles em Florianópolis.
Eles nos orientaram a respeito da Carta Verde, que é o seguro de aquisição obrigatória se você for de carro ao Paraguai ou a Argentina (como o nosso caso). Eu recomendo comprar, porque, em caso de fiscalização, seu veículo é apreendido e é uma dor de cabeça danada. Por menos de R$ 50,00, você fica protegido por três dias
3. Free Shop de Puerto Iguazu
Antes que alguém torça o nariz sobre compras, dolar e etc., vou recomendar que você pare de ler este post. Porque eu vou falar "a real": mesmo com o dólar alto, vale a pena ir ao Free Shop em Puerto Iguazu. Ainda existe muita coisa que é muito cara aqui no Brasil, que você consegue comprar por até metade do preço no Free Shop. Como maquiagem (*cough*) e perfumes. Eu comprei MAC, Bare Minerals, Maybelline, Bourjis por metade do preço do Brasil. Outra barganha boa: brinquedos da Disney. Você vai economizar até R$ 100,00 em bonecas da Minnie, Barbies e outros licenciados que por aqui chegam a custar meio fígado ou mais. Na área dos brinquedos, você vai encontrar a linha Melissa and Doug, que tem uns educativos bem diferentes. Os chocolates são outra tentação, por conta das promoções, e sempre vale a pena olhar as bebidas.
4. Câmbio
Aqui vai entrar na categoria aprendendo com os próprios erros. Muitos blogs indicam levar peso argentino para as compras no Free Shop. Eu levei e... perdi. Com a completa loucura que estava o câmbio aquela semana, o dólar e o real estavam mais atrativos para as compras. Daí eu nunca, mas nunca, vou esquecer do que o meu avô falava: "com dólar, você nunca perde". A minha recomendação é: compre dólares! E compre em Foz do Iguaçu. Sim, a moeda lá circula, então você consegue cotações atrativas. Nós compramos na Atlas Câmbio. Mas aqui vem o pulo do gato, caro paulistano leitor acostumado com cartão: as casas de câmbio só aceitam dinheiro. Procure sacar dinheiro em uma agência bancária em Foz e já troque por dólares. Se sobrarem dólares, guarde. Nunca se sabe quando você irá a Orlando, certo?
5. Em Puerto Iguazu
Nós fomos almoçar um dia em Puerto Iguazu no restaurante Aqva e eu super recomendo. A comida é maravilhosa, farta e absurdamente barata. Por cerca de R$ 120,00, cada um (de nós, adultos) comeu um prato com acompanhamento, mais bebidas não alcoólicas e uma porção de fritas, além de duas sobremesas. A Beatriz comeu um pouco do bife do pai e detonou a panqueca de doce de leite. Lá eles aceitam dólares, pesos ou reais. Eu acabei voltando mais um dia para comprar doce de leite, chimichurri e alfajores. 
6. Cruzando a fronteira.
Para essas idas à Argentina, baixe a área no Google maps antes de sair do hotel e use o Mapa offline, para não pagar aquela fortuna em Internet móvel. Funcionou perfeitamente. Muito importante: leve seu passaporte válido ou carteira de identidade emitida há menos de dez anos para passar pela imigração. Não vale carteira de motorista ou carteira emitida por órgão de classe, tem de ser o RG, com a foto mais feia do mundo. A fila da imigração é grande, então tenha paciência. Apesar de não estarmos na "migra" norte-americana, não faça gracinhas com os oficiais, seja direto, dê os documentos, diga onde vai e quando volta.
7. Supermercado
Como o nosso regime era pensão completa, com uma bebida por refeição, decidimos não depender do hotel e fomos ao Super Muffato para comprar água, bolacha água e sal e umas bananas. O mercado é super completo e infinitamente mais barato do que em São Paulo. E eles aceitam cartão. Ufa!
Espero que tenham gostado!
XO

 

Nenhum comentário: