20.1.16

O recesso é sagrado e Aquário de São Paulo

Oi pessoal, tudo bem?
Como passaram o final de ano e o comecinho de 2016?
Com os pequenos em casa, principalmente nos dias em que choveu horrores em São Paulo, todo mundo se virou nos trinta para arrumar atividades. Muitos viajam nesta época, o que ajuda bastante, porque sempre haverá ocupação para as crianças.
Por três semanas inteiras, ficamos eu e a Beatriz sozinhas, enquanto "a papai" trabalhava praticamente sem descanso. É muito bom curtir este tempo juntas, de brincadeiras, de conversas, de filmes. Aproveitei para levá-la nos parentes e quase todos os dias fomos na minha mãe, que foi nossa base neste período.
Mas o "highlight" do nosso descanso foi o passeio que fizemos no Aquário de São Paulo. Eu, a Bia, minha tia e minha prima, que é professora do Dante, reservamos uma tarde de quinta para conhecer a atração que todo mundo recomenda.
Para deixar o passeio mais atrativo, os ingressos para o Aquário estão com 50% de desconto até o dia 31.01, e saem R$ 40,00 por pessoa. Compramos pela internet e marcamos a hora, lembrando que a Beatriz também paga.
Antes de comentar sobre o passeio em si, quero só deixar claro que eu não sou muito fã de ver bichos enjaulados e só fui mesmo porque pensei em quando a Bia veria estes bichos tão de perto.
Então vamos lá: o Waze nos levou sem problemas até o Ipiranga e o próprio aquário oferece estacionamento com manobrista por módicos R$ 30,00. Entramos no aquário sem filas e até que não estava cheio, considerando estarmos no meio das férias.
Logo na primeira parte, onde estão os primeiros aquários, o tanque com as cobras (eca!) e o tanque com tartarugas e jacarés, a Beatriz pirou. Ela pulava de alegria e nomeava todos os bichos que via: peixe-peixe, taúga, coba, jacaié... Foi emocionante vê-la empolgada com o passeio.

Fomos seguindo as salas e chegamos nas focas, e foi outra empolgação. Foi até difícil segurá-la no meio do povo, porque - e aí a culpa é minha - eu nunca a tinha levado num passeio deste tipo. Então falta costume.
As focas se aproximam do vidro e fazem graça com o público. As crianças amam! Os leões marinhos também são super simpáticos. A Beatriz pirou com os lemingues, que são tão fofos, mas tão fofos, que chega a doer, rsrsrsrs. E aí chegamos na atração considerada principal: o casal de ursos.
Neste ponto, a Beatriz já estava bem cansada e, apesar de ela ter gostado bastante, já estava birrenta e pedindo colo. Comprei uma pipoca, peguei-a no colo e fomos embora, muito felizes e satisfeitas com a farra.
O que eu aprendi: 
- primeiro, preciso levar a Bia mais vezes em passeios públicos, ao invés de enfurná-la nos parentes (acho que esta é a parte principal);
- o aquário é enorme e os pequenos podem se cansar logo, em cerca de uma hora. Mas não compensa levar o carrinho, porque eles não vão querer sentar!
- quando você sai das áreas climatizadas, onde ficam os aquários, para as áreas dos ursos ou das focas, por exemplo, tem uma loja com inúmeros brinquedos caros licenciados. Então fica a dica para tentar evitar os ataques do "eu quero".
- algumas áreas são externas e, em dias de extremo calor, como o que nós fomos, há um desconforto. Leve sua água e hidrate os pequenos.
- mantenha os pequenos sempre por perto: nós estávamos em três, então a área foi bem coberta, rs. 
- dei uma olhada de longe na lanchonete e só vi fast-food. Ficamos com a pipoca e minha prima e minha tia tomaram um sorvete da Jundiá, única marca disponível.
- o nosso passeio durou uma hora no total, o que é suficiente para ver tudo e cansar bem.
- no retorno para a casa, a Bia ficou bem agitada. Ofereci uma refeição leve, um picolé de melancia e, na hora de dormir, procuramos deixar o ambiente mais calmo possível.
O passeio é bem bacana, vale a pena levar os pequenos pelo menos uma vez e posso dizer que a Beatriz se divertiu muito.
Espero que tenham gostado!
XO